20/02/2018:

Centrais protestam contra Reforma da Previdência


Uma grande manifestação tomou conta das ruas do centro do Recife na tarde de ontem, organizado pelas centrais sindicais contra a reforma da Previdência.

Em vias de ser votada no Congresso Nacional, a aprovação da Reforma da Previdência deveria ter sido tema de ampla discussão com a sociedade brasileira, ao invés de ser negociada com políticos em troca de favores ou dinheiro. Além disso, ao contrário das propagandas do Governo Federal e de setores que o apóiam, ela trará graves prejuízos à classe trabalhadora, pois impõe aumento da idade mínima para se aposentar, de tal fomra que na prática o trabalhador terá que trabalhar até morrer para conseguir sua aposentadoria. Restringe severamente o acesso a pensão por morte, reduz os benefícios de quem contribui, além de vários outros pontos, tudo na desculpa da atual insustentabilidade do sistema previdenciário brasileiro, o que é discutível, pois não há um consenso a esse respeito. Existem muitos economistas que até afiram que a Previdência é superavitária, desconstruindo o único argumento para a aprovação da sua reforma.

Em defesa dos trabalhadores e pelo direito à aposentadoria de forma digna, as centais sindicais UGT, CUT, Força Sindical, CTB, NCST, CSP/Conlutas e alguns partidos políticos se uniram e realizaram um protesto que se iniciou no Parque 13 de Maio, no centro do Recife, com uma concentração de mais de mil pessoas, seguida de uma passeata passando pela Rua do Hospício, Avenida Conde da Boa Vista, Avenida Guararapes, Avenida Dantas Barreto, onde a passeata se encerrou em frente ao prédio da Previdência Social. Durante o trajeto, Gustavo Walfrido, Presidente da UGT-PE, fez seu pronunciamento dizendo que "as centrais sindicais estão no caminho certo, pois essa reforma vai acabar com a aposentadoria do trabalhador". Segundo ele, "as centrais estão juntas e irão até as últimas consequências para defender a aposentadoria digna dos tablhadores, dos servidores públicos, que não são culpados pela incompetência desse governo que está aí". O recado claro foi dado ao Governo para que não brinque com a classe trabalhadora, que sempre é chamada para pagar a conta da má administração pública.

Além de Gustavo, João Carlos, Presidente do Seeb Jaboatão e Região, fez uso da palava no carro de som afirmando que o sindicalismo estava fazendo esse protesto na rua para alertar o povo pernambucano do que, segundo suas palavras classificou como corrupto e ilegítimo esse governo e o que ele está fazendo. "Diante de quadro, é muito difícil a luta dos trabalhadores. A gente precisa do enfrentamento, a gente precisa ir pra rua, a gente também precisa mudar isso e se organizar no voto, porque é só no voto, só na luta dos trablhadores a gente vai conseguir mudar e retirar todos os corruptos que estão caladinhos e entranhados no Congresso. Não tem outro caminho, não tem outra forma", completou.

A manifestação de ontem é apenas um passo, de tantos outros que já ocorreram e que ainda virão, até que o trabalhador brasileiro tenha seus direitos respeitados e intocados. As centrais sindicais jamais abandonarão a classe trabalhadora e estão nas ruas mostrando sua força.