21/02/2019:

Centrais protestam contra Reforma na Praça da Independência


Ontem à tarde, na Praça da Independência, também conhecida como Praça do Diário, no Centro do Recife, as Centrais Sindicais UGT-PE, CUT, Força Sindical, CTB, CSP/Conlutas e NCST realizaram um ato de protesto contra a Reforma PRevidenciária, que está prestes a ser votada na Câmara dos Deputados.

É preciso que a população entenda o que significa essa reforma para os trabalhadores e por que as centrais se posicinaram contra ela. Trata-se de um artifício do Governo para, sob a justificativa de que a Previdência Social não se sustenta, forçar no Congresso Nacional a aprovação de um Projeto de Lei que contempla uma reforma previdenciária que se resume em retirar ainda mais os direitos e a aposentadoria dos trabalhadores.

Em vez de propor rodadas de explanações, debates, esclarecimentos e audiências públicas para que o povo se manifeste a respeito, o Governo Federal tem tomado uma postura rígida e ditatorial quando preferiu não dialogar com a sociedade. As Centrais Sindicais querem tomar parte na elaboração de qualquer tipo de PL que mexa com os direitos trabalhistas, especialmente para garantir os que já existem, quando não para conquistar ainda mais direitos.

Enquanto se justifica numa aparente insustentabilidade da Previdência, o próprio Governo Federal perdoou divídas das empresas com o INSS, que totalizam cerca de R$ 1 bilhão. A pergunta que não quer calar é: se a prtevidência corre o risco de quebrar, por que o Governo perdoa a dívida das empresas, ao invés de cobrar delas o que elas devem, principalmente quando o aumento da receita previdenciária oriunda dos pagamentos dessas dívidas podem recolver o problema da tão alegada insustentabilidade?

A UGT-PE foi devidamente representada pelo Presidente Gustavo Walfrido e pelos Diretores Luiz Nelson, Romero Mendonça e Maurício Luna.